O meu “post” para o Fogo…

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Pois é, passadas quase duas décadas, a última erupção foi em 1995, o “monstro sagrado” da ilha do Fogo despertou de novo. Isto é, “…nho Vulcão trazê sê spanto!” (...o senhor vulcão trouxe-nos o seu espanto) Como cantaram os versos da morna do falecido Enfermeiro Barreto, feita para a memória da grande erupção vulcânica de 1951.
Os foguenses já respiram mais aliviados, embora a situação dos desalojados ainda “corte o coração” pelas perdas materiais sofridas e pela mudança brusca de uma vida organizada numa pequena região, das mais férteis da ilha.
Infelizmente, houve danos materiais elevados – tudo é relativo – mas para muitas pessoas da Chã da Caldeiras o desastre soou como um quase “absoluto,” uma vez que perderam tudo o que ergueram para uma vida. E de entre as gentes daquela ilha, era das mais abonadas em termos da agricultura e da pastorícia uma vez que dadas as condições do solo, a natureza é aí mais pródiga do que noutras regiões da ilha. Os moradores cultivam duas vezes por ano, o que é quase milagre nestas ilhas secas. Têm gado e pasto garantido o ano todo. Quem observa aquele torrão queimado e escalvado, nem imagina que a agricultura e a pastorícia aí se dêem tão bem.
Interessante, volto a repetir, é que a gente da Chã das Caldeiras, mesmo a mais pobre, e relativamente à das outras ilhas, em igualdade de circunstâncias, não passa fome.
Creio não faltar à verdade, se disser que a generalidade dessas pessoas não está habituada a depender, a pedir e a ter privações demasiado básicas, por que agora estão a passar.
Daí que as autoridades não estejam a encontrar um “padrão” para lidar com o comportamento, aparentemente de “pobres e mal-agradecidos” daquela gente.
Trata-se de uma impaciência, não só gerada pela impotência perante uma catástrofe natural, como também oriunda de um certo padrão de vida, agora perdido.
Permanece até ao momento em que escrevo este “post” algum isolamento da ilha do Fogo, não só internamente, com algumas estradas queimadas, como também com o exterior.
A solidariedade internacional e nacional foi amplamente manifestada. Pena foi e é que as autoridades não souberam ou então não puderam (posso admitir) distribuir e acudir em tempo mais útil aos desalojados e necessitados, com as ajudas recebidas. Digo isso, pois fortes críticas se fizeram ouvir.
Outra coisa, já é tempo de nos esclarecermos, de que em muitas matérias não somos auto-suficientes, nem de longe, nem de perto. Não somos e mais do que nunca! Esta asserção é hoje global, mas para nós, põe-se com imensa e particular acuidade.
Assim sendo, são sempre bem-vindas as colaborações, as cooperações de fora das ilhas e sobretudo, de países amigos em circunstâncias adversas …
Enfim, de qualquer forma, graças devem ser dadas, pois não houve perdas humanas a lamentar.
A propósito da situação por que passa a ilha do Fogo, recebi – nos inícios deste mês – de uns amigos, um casal de profissionais da área vulcanológica, que cá estiveram connosco no Verão passado, uma mensagem que é também uma “memória” (agora já é) que conservaram dos lugares da Chã das Caldeiras por onde andaram. Por se tratar de um trecho interessante, pedi-lhes autorização para aqui transcrever a bonita descrição que fazem do que foi Portela e arredores: “Como devem imaginar todos os dias pensamos em vocês à medida que vamos acompanhando as noticias que nos chegam quase que hora a hora. Lembramo-nos logo das histórias que a Ondina nos contou de antigos episódios (51 e 95) como o que agora se repete em que a ameaça Mosteiros veio novamente a fazer-se sentir.
Como as noticias foram sendo muitas íamos "vigiando" o que se passava – alguns dos nossos amigos estiveram presentes nas equipas de acompanhamento da erupção.
Foi com tristeza, mas não com surpresa, que vimos a Portela ser engolida logo seguida da Bangaeira.
O museu que vimos em fase adiantada de construção, o hotel onde comemos um peixe delicioso, a cooperativa onde comprámos vinho e até a tasca do Montrond onde comprámos também o vinho doce que eles faziam, as igrejas – uma em frente da outra – e todas aquelas casas da povoação – tudo isso pagou o seu tributo à natureza.
Vá lá que não houve outros prejuízos para além dos económicos – o vulcão acabou por ser gentil – avisou e deu o alerta e foi manso na hora do maior aperto.” Fim de transcrição.
Para findar o escrito, expresso ao leitor, os votos de um novo ano melhor, com tranquilidade, paz e harmonia.



1 comentários:

Adriano Lima disse...

Todos acompanhámos com coração dorido mais um despertar fatídico do nosso vulcão, temendo sobretudo pela vida da população da Chã das Caldeiras, mas lastimando a inexorável perda dos bens e das terras agrícolas galgados pela lava.
Foi comovente assistir à serena coragem da população, assim como à sua aparente resignação face ao infortúnio. Mas a resignação é apenas aparente, sublinho, porque no seu bojo se escondem os germes da indómita resistência e a pertinaz vontade de não se vergar ao primeiro round. Entrou-me ruidosamente pela retina o exemplo de coragem dado por uma mulher já de muita idade, que disse que perdeu tudo mas não “tudo”. É simplesmente extraordinário!
Espera-se agora que as generosas doações sejam utilizadas apenas na reconstrução de outro espaço de vida para aquelas populações. Que propiciem a oportunidade de uma profunda e séria reflexão sobre o que fazer em termos de infra-estruturas agrícolas e económico-sociais que sejam verdadeira alternativa ao risco sempre elevado de novas e futuras demandas ao cimo do vulcão. Pelo que li sobre os montantes da ajuda, penso que permitem certa latitude nos projectos que vierem a ser gizados. Há condições, segundo penso, para investimentos verdadeiramente produtivos e não de fachada ou para inglês ver. Há que evitar criar pseudo comissões ou estudos de fachada que só servem para dar dinheiro a ganhar a boys do partido ou a oportunistas. A nossa terra é pobre demais para se brincar com o dinheiro ou para malbaratá-lo. Sempre tenho dito, que em Cabo Verde os servidores públicos devem usar o fato macaco e não o fato Armani, jeep todo-o-terreno capaz de ir a todo o cutelo e não mercedes luzidio.
Agradeço à Ondina esta oportunidade que nos deu para botar opinião sobre este delicado acontecimento.







Enviar um comentário